0

FALANDO DE MÚSICA (Parte 3 – Final da série)

MPB: JÁ CHEGAMOS AO FIM DO POÇO?

(Parte 3- Final da série)

Esse “poço” parece não ter fim. A capacidade de produção de música ruim é proporcional ao apetite de gravadoras, mídias e produtoras de faturar. Entramos em um círculo vicioso: oferece-se a música que o povo quer, aumenta o “ibope”,todo mundo fatura… ou o povo gosta porque é o que oferecem a ele…( Tostines é fresquinho porque vende mais ou vende mais porque é fresquinho?” )

Vai ser difícil romper o círculo quando todos os seus mantenedores estão satisfeitos. Como convencer, por exemplo, a Globo a colocar na sua grade de programação, em horário nobre, MPB de qualidade? Dirão: não vai ter “ibope”. Já o fizeram há vários anos (houve até um programa comandado por Chico e Caetano). Recentemente produziram uma série de programas dedicados aos grandes compositores da MPB. Puseram-nos na madrugada, após o Programa do Jô, certamente para não prejudicar o “ibope”. O “Altas Horas”, quando era de madrugada ( altas horas mesmo), trazia boas músicas. Depois que passou a ser transmitido mais cedo, virou uma repetição do “Domingão do Faustão” e de outros “domingueiros” com um desfile de “sertanejos universitários” , pagodeiros, funkeiros etc. “A força da grana que ergue e destrói coisas belas”.

Não há muita chance de mudar isso. Boni, ex todo poderoso da Globo, defende que a tevê deveria dar um pouco mais ao povo, melhorando o nível gradativamente. Afinal como apreciar a ótima música de Noel se não o damos por conhecer? Como saber da existência de Lenine se não o pomos na grande mídia?

Poderia haver contra-argumentações (sempre bem recebidas). “A fila anda; temos que produzir coisas novas; o que passou passou…” Ponderaria ,reproduzindo mais ou menos o que ouvi de Paulinho da Viola: não sinto nostalgia nem saudade porque o passado está presente em mim. A música de Cartola é atual. E, depois, temos que “andar” evoluindo, não retrocedendo. Mas aí vem aquela frase matadoura, para encerrar o papo: gosto não se discute. E eu me permito contra-argumentar: de fato, gosto não se discute, mas qualidade sim.

Enquanto isso, para ouvir música de qualidade,vamos nos contentando com circuitos alternativos, infelizmente não acessíveis a todo mundo. Auditórios e certas casas noturnas de algumas capitais mantêm  programação com grandes nomes da MPB. Em geral lotam. Para shows de Betânia,Simone, Chico, Caetano, Paulinho da Viola entre outros há necessidade de compra antecipada de ingressos.

A boa música brasileira continua aí sempre nascendo e renascendo nas vozes de Marisa Monte, Zélia Duncan, Roberta Sá, Tereza Cristina, Mariene de Castro, Adriana Calcanhoto, Vanessa da Mata, Tulipa Ruiz, Mariana Aydar,  Monica Salmaso, Paula Lima, Céu,Fabiana Cozza e tantas outras e outros que não deixam a peteca cair. Continuam presentes e atuais todos os grandes compositores e intérpretes brasileiros. Continuarei ouvindo no meu carro todos eles e os que por falta de espaço e esquecimento não citei nos artigos anteriores . Certamente entre esses estará o mestre do bandolim Jacó, a  “divina” Elizeth, a notável Elis, Clara, Paulinho , João Nogueira, Gonzaguinha, Tim Maia, Jorge Ben (sem o Jor), Milton Nascimento, Nelson Gonçalves, Orlando Silva, Raul Seixas, João Bosco,Nana Caymmi, Fagner, Altemar Dutra e…

Senão, dando uma chegadinha no exterior,poderei ouvir uma boa Música Popular Brasileira.

EXEMPLOS DE LETRAS DE MÚSICA- (Pequenos trechos catados sem muito esforço)

1-De Paulinho da Viola 

Teu olhar iluminava
O mar que havia no meu coração
Meu barco de sonhos
Tranqüilo
Navegava em meu delírio
Entregue em tuas mãos
Mas o tempo sempre apaga
O fogo de qualquer paixão
E lança, sem pena,
As flores que restaram
Nas águas da desilusão

2-De Vinicius de Moraes

Ai, vontade de ficar mas tendo que ir embora
Ai, que amar é se ir morrendo pela vida afora
É refletir na lágrima um momento breve
De uma estrela pura
Cuja luz morreu
Numa noite escura
Triste como eu

3-De Caetano Veloso

O quereres e o estares sempre a fim
Do que em mim é de mim tão desigual
Faz-me querer-te bem, querer-te mal
Bem a ti, mal ao quereres assim
Infinitivamente pessoal
E eu querendo querer-te sem ter fim
E, querendo-te, aprender o total
Do querer que há e do que não há em mim

4-De Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito

Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor
5 De Orestes Barbosa
E a lua furando nosso zinco
Salpicava de estrelas nosso chão.
Tu pisavas nos astros distraída…
6-De Lenine
Daqui desse momento
Do meu olhar pra fora
O mundo é só miragem
A sombra do futuro
A sobra do passado
Assombram a paisagem
7-De Emicida
Hoje cedo
Quando eu acordei e não te vi
Eu pensei em tanta coisa
Tive medo
Ah, como eu chorei, eu sofri
Em segredo
Tudo isso
Hoje cedo

8- De Chico Buarque

Amaram o amor urgente
As bocas salgadas pela maresia
As costas lanhadas pela tempestade
Naquela cidade
Distante do mar
Amaram o amor serenado
Das noturnas praias
Levantavam as saias
E se enluaravam de felicidade
Naquela cidade
Que não tem luar
Amavam o amor proibido
Pois hoje é sabido
Todo mundo conta
Que uma andava tonta
Grávida de lua
E outra andava nua
Ávida de mar

 

 

Milton Pereira

Há mais de 30 anos como executivo de grandes empresas, hoje atua como Consultor em Liderança, Comunicação e Educação Corporativa.

Deixe seu comentário